Arquivo do mês: junho 2012

Professora Milene participa da Convenção Municipal do PT

A Professora  Milene participou ontem (29) da Convenção Municipal do PT, que contou com a participação de deputados do partido e  toda a sua militância. O evento foi realizado na sede do Paysandy, em Belém.

                               

Em publicação feita em sua rede social, o professor Luis Cavalcante, que participou da convenção, declarou: “Depois daquele beijo gay na tribuna da câmara me decidi: Voto na criatividade e leveza da mulher”.

Foto: http://www.facebook.com/professorcavalcante

Texto: ASCOM – Gab. Vereadora Milene

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário do Pará – DFDA cria ferramentas para a Agricultura Familiar

A Delegacia Federal de Desenvolvimento Agrário no Pará (DFDA), representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), atua no combate à pobreza no campo e desenvolvimento sustentável na Amazônia por meio da Agricultura Familiar, atendendo demandas de mulheres extrativistas, comunidades quilombolas, povos tradicionais, agricultoras e agricultores familiares.


O DFDA Pará criou duas ferramentas novas para oferecer informações sobre a Agricultura Familiar, programas de crédito e financiamentos no campo, assistência técnica e extensão rural, chamadas públicas, notícias do MDA, entre outras.

Para maiores informações acesse o blog: www.dfdapara.blogspot.com.br e a fanpage do facebook no endereço: https://www.facebook.com/DelegaciaFederalDeDesenvolvimentoAgrarioDoPara

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

PT realiza convenção hoje em Belém

Será realizada hoje (29), às 17h na sede do Paysandu, a Convenção Municipal do PT Belém.

O Partido dos Trabalhadores convida toda a sua militância para participar da convenção partidária, onde será homologada as candidaturas proporcionais e majoritária, com a presença dos parlamentares do partido, lideranças políticas e o pré-candidato à prefeitura de Belém pelo PT, professor Alfredo Costa.

A onda vermelha irá tomar conta da cidade!

 

Serviço:

29 de junho de 2012 (sexta-feira)
17h, sede do Paysandu
(Avenida Nazaré, 404, Nazaré, Belém – PA)

 

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Saiu na Mídia

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Saiu na Mídia

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Convite para Audiência Pública sobre o Programa de Ação Afirmativa da UFPA

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Empate na eleição da Associação dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior – Andifes

Terminou empatada a eleição para a presidência da Andifes realizada na tarde desta segunda-feira na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), onde ocorre reunião ordinária da Associação dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior. Quarenta e oito reitores de um total de 59 compareceram ao pleito. Vinte e quatro votaram em Roberto Salles, candidato de oposição, e reitor da Federal Fluminense. O mesmo total votou em Carlos Edilson Maneschy, da Federal do Pará, e integrante da atual diretoria da Andifes.


Foto: Sueli Sales/Bibliotecária/GEP/FHCGV

O empate é inédito nos 23 anos de história da entidade e surpreendeu os defensores das duas chapas. Não há no regimento qualquer indicação sobre como proceder nesse caso e, por isso, ao final da tarde, o plenário resolveu por unanimidade reconvocar as eleições para julho. “Essa situação não estava prevista no nosso estatuto. Na continuação da reunião, amanhã, vamos definir um dia para outra reunião, em Brasília, onde a eleição será refeita”, explicou o professor João Luiz Martins, reitor da UFOP e atual presidente da Andifes.

“O debate entre as chapas foi bastante cordial. Os dois lembraram que após o novo pleito, independentemente do resultado, a voz da Andifes será uma só”, conta o vice-reitor João Batista de Sousa, representante da UnB na reunião de Ouro Preto. “O candidato de oposição quer uma Andifes mais política, mais presente no Parlamento e no Executivo. Já o Meneschy quer investir na Andifes como negociadora e formuladora de políticas”, completou o professor de Medicina da UnB.

GREVE- Além do debate eleitoral, os reitores discutiram o orçamento das universidades para 2013 e a greve que já atinge 57 instituições. Preocupados com o destino do semestre, os dirigentes querem ampliar seu protagonismo nas negociações com o governo e pretendem discutir ainda mais o tema nessa terça-feira, em encontro com o professor Amaro Lins, Secretário de Ensino Superior, do MEC.

A greve não ocupou apenas o pleno da Andifes. A reunião foi interrompida por manisfestantes grevistas, professores, estudantes e funcionários, a maioria da própria UFOP.  O grupo pediu para ser recebido pelo plenário da Andifes. “Permitimos a entrada de dois representantes de cada movimento para que eles pudessem colocar sua pauta ao plenário”, relata o reitor João Luiz. “Depois, concordamos em sair à rua para recebê-los”, disse. “Falei em nome dos reitores, relatei que estamos tentando o tempo todo dialogar como governo para encontrarmos uma saída negociada para greve. Não somos adversários, aceitamos grande parte das reivindicações da greve como legítimas”.

Enquanto o tema era discutido na Andifes, a presidente Dilma Rousseff convocava o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o secretário executivo do Ministério da Educação, José Henrique Paim, para discutir proposta para os professores. O Governo Federal pretende avançar em relação à proposta já colocada na mesa de equiparar a carreira dos docentes à da ciência e tecnologia. Fontes do Palácio do Planalto afirmam, no entanto, que o Governo Federal está pessimista em relação a possibilidade de desfecho da greve. A avaliação é de que há muitos interesses políticos sindicais envolvidos na mobilização. Leia mais aqui.

Entre as definições importantes tomadas no encontro na Andifes, o reitor da UFOP, João Luiz Martins, destacou o pedido oficial da associação de ampliação em 3 vezes do valor estipulado pelo Governo Federal ao Plano Nacional de Assistência Estudantil (PNAES).

Outro ponto definido pelo plenário de reitores foi a manutenção das verbas de custeio do Reuni no plano de metas do próprio programa. “Enquanto o sistema não se acomodar e as metas forem alcançadas não podemos mudar aquilo que foi acordado em 2008, quando o Reuni foi implantado”, afirma o professor João Luiz.

 

Fonte: UnB Agência

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias